0
0 In Relacionamentos

Do que necessitas para sentir-te amado?

O amor não é um tema preto e branco, com um conteúdo geral igual para todos. Isso significaria que todos seríamos iguais, o que não é real. Mesmo com histórias parecidas, a experiência pode ser vivida de forma diferente.

Podemos traçar algumas linhas orientadoras, mas não podemos esquecer que o amor obriga a compreender o outro, e a responder adequadamente a partir dessa compreensão.

Gary Chapman, PhD, é um terapeuta, conselheiro matrimonial e autor, que depois de ter trabalhado com vários casais, definiu cinco linguagens diferentes de expressar amor: toque físico, formas de servir, receber presentes, qualidade de tempo e palavras de afirmação. Segundo ele, cada um de nós tem uma linguagem primária de amor, e a menos que o outro expresse o seu amor dessa forma, nós não vamos sentir-nos amados por ele.

“Sentir-se amado é a mais profunda necessidade emocional que temos”, diz Chapman. Por isso, temos que estar dispostos a aprender a linguagem de amor do outro, para podermos fazê-lo sentir-se amado, de forma efectiva.

A nossa infância pode ter influência na linguagem de amor que preferimos. No seu livro “As cinco linguagens de amor”, Chapman fala de um caso de uma mulher que cresceu numa família onde a mãe era uma excelente cozinheira. Ela passou vários anos a ouvir o pai dizer à sua mãe: «Quando me sento à mesa com uma refeição como esta diante de mim, torna-se fácil amar-te». O pai elogiava bastante os dotes da mãe, tanto em privado como em público. Assim, ela adoptou o modelo da sua mãe e quando se casou expressava a mesma linguagem que ela. Mas, ela não estava casada com o seu pai, o seu marido tinha uma linguagem de amor diferente. Ele achava que ela passava demasiado tempo na cozinha, e preferia que ela fizesse comidas mais simples, para terem tempo de qualidade juntos. O seu marido acabava por não valorizar o esforço dela, e isso magoava-a.

O objectivo de sabermos qual é a nossa linguagem de amor, não é a de encontrar alguém com a mesma linguagem. De acordo com Chapman, é raro isso acontecer num casal. Também é irrealista pensarmos que o outro deve saber algo, que é da nossa responsabilidade saber e comunicar. A mensagem que ele deixa é que o amor é uma escolha, “aquele que escolhe amar, encontra a forma apropriada de expressar essa decisão todos os dias”.

Temos que estar dispostos a crescer, e a expandir a nossa forma de amar. Se queremos ter relacionamentos duradouros e harmoniosos, temos que ganhar consciência de quem somos e de quem é o outro, de forma a que essa harmonia seja criada em conjunto.

Toque físico

O toque físico é muito mais do que aquilo que se passa no quarto. Qualquer tipo de toque exprime amor. Pode ser abraços, mãos dadas, toques na costas, festas ou massagens. Cada pessoa aprecia uns toques mais do que outros, eles podem ser implícitos, breves, explícitos ou longos. Assim, não podemos levar muito à letra o significado de toque físico. Pode representar coisas diferentes para cada pessoa, mesmo que tenham o aspecto do toque em comum. A melhor pessoa para explicar o que mais gosta é a própria.

No entanto, se o toque físico é uma expressão de amor, também pode destruir a ligação entre duas pessoas, de forma irremediável. Negligência, abusos, agressões e traições podem ser imperdoáveis e destrutivas, para quem sente o amor desta forma.

Qualidade de Tempo

Para quem tem esta linguagem, nada diz mais «eu te amo» do que a atenção plena, estar inteiro é fundamental. Logo, só é considerada qualidade de tempo se a tv e o telemóvel estiverem desligados, os garfos e as facas para baixo, e todas as tarefas ou actividades em standby.

Para ser qualidade de tempo tem que haver dedicação mútua, actividades a dois, olhos nos olhos, partilhar silêncios ou conversar sobre pensamentos, emoções ou desejos, num contexto sem interrupções. Só isto significa que se está junto, e não em qualquer outro lugar.

O importante é o que ocorre a nível emocional. O outro tem que estar presente emocionalmente e não mentalmente. Ou seja, se estão a conversar é mais importante escutar e compreender do que aconselhar. Os conselhos só devem ser dados se pedidos. O sexo masculino falha muito neste aspecto. Eles ouvem apenas o suficiente para perceber qual é o problema e dar uma solução. Eles pensam que se aconselharem a mulher estão a ajudá-la, mas o efeito é o oposto. Isso faz com que se afastem e desconectem. A maioria do sexo feminino apenas quer compreensão e atenção.

Mais uma vez, o tipo de actividades em conjunto varia de pessoa para pessoa. Pode ser um passeio na natureza, visita a um museu, fazerem um projecto juntos ou algo que gostem. O importante é que o factor qualidade esteja presente.

Distracções, desmarcações, falta de escuta ou de atenção podem ser dolorosas e meter a relação numa espiral descendente.

Formas de servir

Para quem tem esta linguagem, as ações falam mais alto do que as palavras. Qualquer coisa que alivie o peso sobre a pessoa, vai fazê-la sentir plenamente amada.

No livro, o autor conta a história de Mark, que fazia apenas aquilo que a maioria dos homens faz: lavar o carro e cortar a relva. Mas, para salvar o seu casamento ele viu-se obrigado a quebrar o estereótipo dos homens da sua família, ao perceber o que era importante para a sua esposa. Assim, ele passou a ajudá-la nas tarefas domésticas e a assumir algumas responsabilidades.

Chapman disse que esta boa vontade é necessária, quando a linguagem do outro nos traz desconforto. Tudo o que sabemos que o outro gostava que fizéssemos, vale a pena o nosso esforço.

Amar o outro é ir além de nós mesmos, dos nossos condicionamentos e da nossa prisão mental. Ninguém ama ninguém, se não se sente feliz ao fazer feliz o outro.

Como é fácil de entender, a preguiça, falhas nos compromissos e fazer as coisas que só interessam a si mesmo é igual a dizer «eu não gosto de ti». Pelo contrário, encontrar formas de servir o outro vai criar certeza de que ele é amado.

Palavras de Afirmação

Neste caso, as palavras falam mais alto do que tudo o resto. Elogios verbais, agradecimentos, palavras de apreciação, encorajadoras e bondosas são formas poderosas de comunicar amor.

A melhor forma de o fazer é através de palavras sinceras e directas, e falar bem do outro mesmo na sua ausência.

Insultos, críticas e julgamentos são facadas no seu coração, doem mais a quem fale esta linguagem, do que a qualquer outra pessoa.

Receber presentes

Segundo Chapman, esta linguagem não está relacionada com materialismo. O que a pessoa valoriza não é o presente, mas a intenção por trás do presente. O presente é visto como uma representação visual do amor. Por isso, não importa se é caro ou barato, o que importa é que ele é a prova física de que a pessoa foi lembrada.

Neste capítulo, o autor fala sobre o presente mais importante que podemos dar ao outro – a nossa presença. Presença significa estar ao lado do outro quando ele mais precisa. A nossa presença em alturas de crise ou momentos difíceis, é o melhor presente que podemos dar a quem tem esta linguagem de amor.

Conclusão

Quando o nosso tanque emocional está baixo, o amor vai reduzindo. Quando o nosso tanque emocional enche, o amor vai crescendo. Por isso, é essencial suprir as necessidades emocionais do outro, e termos vontade de expressar amor na sua linguagem. Isso vai fazer com que ele se sinta feliz, que a sua presença seja a melhor, e que esteja também ele disposto, a falar a nossa linguagem, caso haja diferenças.

Contudo, o facto de termos uma linguagem primária, não significa que as outras não são importantes. Segundo Chapman, as relações com maior nível de preenchimento são aquelas onde todos os tipos de linguagem estão presentes. Apenas temos que nos lembrar de dar maior destaque, aquela que faz o outro sentir-se mais amado.

O grande aprendizado nos relacionamentos é que temos que ajustar as ilusões e as expectativas. Menos paixões delirantes e mais amor em acção, menos fantasia e mais realidade, menos inconsciência e mais consciência. 

Caso queiras saber qual é a tua linguagem de amor encontras no site oficial, um questionário para fazer. Se estiveres numa relação, é importante que ambos descubram qual é a vossa linguagem, de forma a aprofundarem e intensificarem a vossa ligação.

Através do meu workbookQuais são os teus requisitos não-negociáveis” também obtens informações a este respeito. As minhas duas linguagens de amor principais, fazem parte dos meus requisitos não-negociáveis. Os dois recursos são um bom complemento.

Referência

As cinco linguagens do amor, de Gary Chapman

Guardar

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply